Batom Diva da MAC x Batom #02 Vult

Olá meus amores, tudo bem do lado daí? ♥

Seguindo a dica da leitora Paloma Freitas vamos hoje de: comparaçãozinha de dois batons igualmente maravilhosos, mas que tem pequenas e sutis particularidades. Vamo simbora?

Vamos começar falando do batom #02 da Vult, ele está custando em torno de R$15,00 e pode ser encontrado em lojas e farmácias como a Panvel. Seu acabamento é impecável, hidrata em quanto usamos, além de não craquear nos lábios. Duração boa, mas não podemos esperar uma hiper duração de um batom cremoso, certo? É necessário retocá-lo, para uma melhor tonalidade ao longo das horas.

Já o batom da MAC custa em torno de R$69,00 e pode ser adquirido apenas nas lojas e site da MAC ou no site da Sephora. É um batom igualmente de cor vibrante e bem pigmentado, acabamento impecável e tem fórmula matte, o que de longe sai na frente do #02 da Vult por almentar exponencialmente a duração do mesmo, não necessitando de tantos retoques ao longo das horas. Observei uma leve ressecada nos lábios depois de muitas horas de uso, mas nada alarmante, recomendo o uso de um hidratante bucal antes da aplicação e após.

dupe2 dupe3

Caso você prefira um batom de fórmula cremosa e hidratante, o #02 Vult é perfeito! Se prefere que o acabamento tenha aspecto mais seco, basta aplicar no batom da Vult uma camada leve de pó translúcido para matificar a cor ou então beijar um lencinho de papel para remover o excesso de brilho. Funciona direitinho meninas, aposte nesse truque!

Espero que tenham gostado do post, não esquece de deixar nos comentários suas opiniões sobre eles. É interessante para complementar o conteúdo da postagem. Isso porque cada lábio tem uma experiência com cada produto. Varia bastante, muito mais do que sombra, certo? Enfim, COMENTEM!  Esse feedback é importante para eu saber se vocês aprovam esse tipo de post!

Bjinhooos e até a próxima!

assinatura

RESENHA: A Seleção

Título: A Seleção 
Editora: Seguinte
Autora: Kiera Cass
Páginas: 361
Ano: 2012

Sinopse:
Não queria ser da realeza. 
Não queria ser Um. 
Não queria nem tentar.
Para trinta e cinco garotas, a Seleção é a chance de uma vida. Num futuro em que os Estados Unidos deram lugar ao Estado Americano da China e mais recentemente a Illéa, um país jovem com uma sociedade dividida em castas, a competição que reúne moças de dezesseis e vinte anos de todas as partes para decidir quem se casará com o príncipe é a oportunidade de escapar de uma realidade imposta a elas ainda no berço. É a chance de ser alçada de um mundo de possibilidades reduzidas para um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser a rainha. Para America Singer, no entanto, uma artista da casta Cinco, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás Aspen, o rapaz que realmente ama e que está uma casta abaixo dela. Significa abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. E viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes. Então America conhece pessoalmente o príncipe. Bondoso, educado, engraçado e muito, muito charmoso, Maxon não é nada do que se poderia esperar. Eles formam uma aliança, e, aos poucos, America começa a refletir sobre tudo o que tinha planejado para si mesma e percebe que a vida com que sempre sonhou talvez não seja nada comparada ao futuro que ela nunca tinha ousado imaginar.

Continue reading “RESENHA: A Seleção”